terça-feira, 10 de julho de 2012

Miguel, vencedor em Cristo

Boa noite irmãos, sou novo aqui na Igreja e queria deixar meu testemunho de fé.
Meu nome é Miguel Castorp, e vivi muito tempo na perdição e pouca vergonha. Trabalhava como açougueiro no açougue do meu tio Pedro, mas na verdade eu fazia dinheiro era com rinha de cachorro. Comecei no ramo quando eu tinha 15 anos, coloquei meu vira-lata Catinga pra lutar com o cachorro do meu vizinho Américo na rinha do Tonho Nego e ganhei 10 reais e um maço de cigarros Derby azul, e desde então eu só fui crescendo no negócio. Aos 18 eu já era o maior organizador de rinhas da região e ganhava todas as lutas que participava graças ao meu pit-bull Maguila.
Nessa época eu era muito famoso, comprei um uno mile 2003 novinho e saia muito pra curtir as gatinhas, que viviam na minha. Cheguei uma vez a sair com mais de vinte garotas numa semana e organizava várias orgias, regadas de craque, cocaína e uísque Bells. Eu era tão poderoso quanto qualquer traficante em qualquer morro por aí.
Mas como meus pais eram crentes e eu não queria que eles ficassem desapontados comigo, eu dizia que meu dinheiro era que eu economizava do trabalho no açougue do tio Pedro. Mas na verdade eu continuava no açougue porque era de lá que saia a fonte do meu sucesso: as salsichas Sadia que eu alimentava meu cachorro vencedor, o Maguila.
Eu alimentava o Maguila só com salsichas Sadia, que além de vitaminadas, vinham com um tempero especial: Equipoise, ou undecylenato de boldenona, anabolizante de cavalo que eu injetava nas salsichas. Isso, junto com os demais produtor químicos misteriosos que haviam nas salsichas deixaram o Maguila com uma potência de mais de 1000 kg na mordida, capaz de correr cerca de 120 km/h e de dar saltos de mais de 3 metros de altura.



Acontece que os anabolizantes deixaram o Maguila com uma fome de leão, e logo meu tio Pedro percebeu que eu estava roubando suas salsichas e me botou na rua. Com medo de que meus pais descobrissem, corri pro esconderijo onde eu organizava as rinhas e deixava o Maguila pra pegar um pouco do dinheiro que eu tinha guardado pra pagar o tio Pedro e pedir que ele me aceitasse de volta. Só que quando eu cheguei o Maguila estava morrendo de fome e ficou pedindo as salsichas, que eu não tinha trazido nenhuma. 
Ah, esqueci de contar uma coisa muito importante. Fazia muito calor nesses dias, e eu, que não tinha nenhuma privacidade em casa por conta dos meus pais crentes, gostava de andar peladão pelo meu esconderijo, que era meu cantinho onde eu podia fazer o que bem quisesse. Bem, aposto que todo mundo sabe o que aconteceu: vendo meu órgão sexual balançando ali e morrendo de fome, o Maguila deu um salto e decepou meu pinto. Gritando de dor e desespero eu fugi pra rua e as pessoas, me vendo ali peladão e capadão, começaram a me ridicularizar antes de chamar uma ambulância.
Depois disso perdi todo o meu respeito. As pessoas me viam na rua e me chamavam de cotoco, toquinho, capado, eunuco, castrati, e outras coisas horríveis. As meninas não queriam mais saber de mim. Meus pais choravam de vergonha o tempo todo. E o pior, Maguila, depois disso, não queria mais brigar e acabou virando homossexual, me deixando totalmente sem nada.
Foi aí que eu não agüentei mais e pedi ajuda aos meus pais. Eles me levaram a Igreja do Primeiro Impacto, e me apresentaram ao pastor Adamastor Reges. Ele conversou comigo, ouviu minha história, e disse que eu havia sofrido o castigo por ser tão promiscuo e abusar das criaturinhas de Deus, os cachorros. Perguntou se eu estava arrependido e se eu aceitava Jesus, e eu disse que sim. Ele me levou para ser batizado na piscina sagrada e depois do batismo e percebi que meu pênis tinha se regenerado e aumentado cerca de 20 centímetros.

Hoje em dia sou conhecido como Obreiro Canhão, e recebo várias ofertas para fazer sexo com mulheres incríveis, viados ricaços e contratos milionários de indústrias do pornô. Mas rejeito todas, pois estou esperando uma bela varoa no sorteio de casais para fazer uma família ungida e cristã. A paz!

5 comentários:

Kid Bengala disse...

Eu já passei pelo batismo da piscina sagrada e meu pinto ficou enorme também! Hoje me chamam de Kid Bengala e sou um homem rico e realizado

Adalberto Pezalinni disse...

Deus é contigo irmão!!

Anônimo disse...

bem q o cachorro podia te comido seu cú também em kkkkkkkkkkkkkkkkkk

Anônimo disse...

Aleluia, jovem /o\

Anônimo disse...

Chambaraias súprias, Toquinho !!!!!

Postar um comentário