sábado, 12 de março de 2011

Professor Assediado, hoje Educador Recuperado

Pastor.

Sou Otaviano Prestes, graduado em licenciatura e matemática.

Como os homens ambiciosos que tem propensão ao conhecimento das ciências laicas, possuía-me a soberba e todos os outros sentimentos malignos que nos afastam de Deus. Estas condições minhas de espírito facilitaram que errasse meu passo no caminho do Senhor e deixasse-me desvirtuar por influências satânicas.

Em meados de 2006 lecionava eu em um colégio católico. Tratava-se de um instituto particular caríssimo, onde apenas as mais elevadas camadas da sociedade arcavam com os custos de mensalidade. Jamais me incomodei por ser uma escola orientada por religião - pensava eu, em desvairada ilusão, que todas as seitas eram caminhos honestos de espiritualidade.

Era na época um jovem magistrado inexperiente e ingênuo, sobretudo ignorante das malícias práticas. Para piorar, distinguia-se claramente dentre o corpo docente: andava pelos vinte e cinco anos e praticava jiu jitsu há quase uma década. Impressionara a certos estudantes a aparência atípica de um professor, com constituição atlética e bem marcada. Olhares e comentários surgiram a meu respeito, principalmente dentre as mocinhas; neste grupo em particular, florescia excepcionalmente a figura de uma garota mui atraente de dezesseis anos, cujos gestos eram mais exacerbados, a que todos tinham por Angélica.

A primeira vez que soube disso foi ao interceptar um bilhetinho que ia de um lado a outro da sala. Corei imediatamente ao ler a mensagem redigida, elogiando-me diretamente com grave conotação sexual. Mandei Angélica à diretoria, mas minha cabeça não encontrou sossego; passei o dia todo amargurado, pensando nas palavras chulas contidas na cabeça perversa de uma estudante colegial. Por um desvio de caráter, também em mim surgiu afeição, uma afeição doentia, pois era também Angélica uma donzela formosa e mui bem constituída com seu corpo adolescente curvilíneo. Uma nuvem de pensamentos sexuais me atormentou com deveras intensidade. Tentei de tudo para esquecer o ocorrido.

Uma semana depois, no fim do expediente, ao dar ré em meu Astra Sedan 2.0, não percebi a presença de um transeunte que caminhava no estacionamento. Uma voz feminina acompanhou um baque metálico. Aturdido, saí do veículo apenas para descobrir que acidentalmente acertara Angélica. Ela gemia exageradamente, como se houvesse sofrido luxação ou fratura. Ofereci-me para transportá-la para uma clínica, mas Angélica recusou-se, reclamava de dor, mas dizia que isto seria demais atribulação para tão mínimo problema. Avisei a ela que como esportista, conhecia os procedimentos de primeiros socorros em casos de lesão muscular ou óssea e voluntariei-me para os cuidados médicos iniciais. Angélica então abriu o fecheclér e livrou-se da calça jeans, para meu espanto, ficando semi-nua à minha frente no estacionamento vazio.

- Se o senhor não fizer amor comigo, falo a todos que me estuprou.

O trágico dilema encerrou-se no ato consumado. Sim, pastor, numa sociedade em que defende-se com tanta veemência os direitos da mulher, um homem é forçado a sofrer chantagens deste calibre. Após o fim da relação, que ocorreu mesmo dentro de meu veículo, fui acometido por sentimentos conflitantes.

Seguidamente Angélica reaparecia para mim e a mesma chantagem se repetia. Fui forçado muitas vezes a manter relações com a garota, apenas para calar o seu espírito malévolo.

Torturado pela vergonha e pela culpa, figurei uma idéia que resolveria para sempre meus problemas. Comprei de um colega de academia uma pequena quantidade de canábis (maconha) e plantei junto aos materiais de Angélica. Na saída do colégio, fiz uma denúncia anônima e a diretoria certificou a veracidade da acusação. Como já esperava, Angélica foi expulsa, mas não calada. Mentiu a todos que eu a atropelei e a abusei sexualmente, entre outras calúnias.

- O que o senhor tem a dizer sobre isso, sr. Otaviano? - indagou-me a diretora.

- Está claro que esta garota está sob efeito de narcóticos!

E este argumento também satisfez a polícia. Um dos cabos da PM, Leôncio Tavares, era evangélico e obreiro na IPI, e diante da densidade do equívoco, explicou-me que acontecimentos como este eram muito comuns. Frequentemente em descarregos espirituais descobria-se que homens (muitos deles apóstolos e pastores), falsamente acusados de estupro, encaminhavam-se à perdição em razão de humanóides como tal. Junto com lições tão valiosas, anexou o endereço e telefone da Igreja do Primeiro Impacto, onde vim a conhecer o pastor Clodoaldo Malafaia, um ministro de Deus amplamente conceituado. Este detalhou-me em minúcias os perigos de matricular jovens em colégios católicos, onde valores libertinos são pregados abertamente. Neste mesmo dia, ofereceu-me uma proposta de emprego, que acatei de imediato.

Desde então leciono no educandário da Igreja do Primeiro Impacto, instituto aprovado pelo MEC.

Otaviano Prestes

16 comentários:

Rafael disse...

Esta é a oportunidade perfeita para desmascarar vocês ou dar a prova de que existem.

"Desde então leciono no educandário da Igreja do Primeiro Impacto, instituto aprovado pelo MEC."

Esta instituição não é nem de longe aprovada pelo MEC, simplesmente pelo fato de não estar no site oficial do governo.

http://emec.mec.gov.br/

HÁ, PEGOS PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO!!!

Anônimo disse...

Esta é a oportunidade perfeita para desmascarar vocês ou dar a prova de que existem.

"Desde então leciono no educandário da Igreja do Primeiro Impacto, instituto aprovado pelo MEC."

Esta instituição não é nem de longe aprovada pelo MEC, simplesmente pelo fato de não estar no site oficial do governo.

http://emec.mec.gov.br/

HÁ, PEGOS PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO!!! [2]

Rafael disse...

Ninguém disposto a refutar minha tese? Vamos lá, sei que são capazes, me dêem uma resposta que cale a minha boca.

Anônimo disse...

Salmos 46:10 “Aquietai-vos, e sabei que eu sou Deus; sou exaltado entre as nações, sou exaltado na terra.”

Rafael disse...

¬¬ fala sério, eu pedi uma resposta boa, não um salmo da bíblia que copiaram de algum lugar.

Anônimo disse...

Rafael,



Muitos serão os chamados mas poucos ouvirão e menos ainda serão salvos. Nós somos os trabalhadores da última hora e ao invés de preocupar-se se o templo material da IPI existe ou não (coisa tão absurda quanto questionar se Deus existe ou não, coisa que só pode sair da cabeça de um ateu humanóide) deveria se exemplar com o testemunho do professor acima e se converter. A hora do arrebatamento eta chegando.


A Paz.

igreja-primeiroimpacto disse...

O processo de abertura do educandário está em aprovação.

Rafael disse...

Sim meu caro, disto eu não duvido, só quero saber por que não está na lista de aprovados pelo MEC?
Se está em construção ou não, isto não importa (se estiver, meus parabéns).
Se está em processo de aprovação tudo bem, ai a culpa foi de quem editou o post que cometeu um pequeno/grande engano.

jorgeprado disse...

PERSEGUIÇÕES E SOFRIMENTOS Mt 10,17-22


A perseguição é uma das tribulações que pode nos sobrevir durante nossa caminhada cristã na terra. Para entender o que ela significa, precisamos atentar para a palavra que Jesus usou. O cristão sofre perseguições quando é maltratado com palavras vis que são lançadas injustamente contra ele. Ele pode ser ofendido verbalmente, além de ser alvo de piada e de zombaria por parte dos outros. Pelo fato de sermos cristãos, é inevitável que isso nos aconteça. O próprio Cristo sofreu esse tipo de perseguição. Nosso Senhor Jesus Cristo, de forma injusta e cruel, foi zombado e insultado por muitos, especialmente no final de sua vida. Jesus já sabia que esse tipo de perseguição o esperava (Lc 6,32). E foi exatamente o que aconteceu com Ele antes e depois de ser pendurado na cruz. Ele foi zombado pelos soldados, (Mt 27,29-31); pelos que passavam perto da cruz (Mt 27,39-40); pelos líderes religiosos (Mt 27,41-43); pelos dois ladrões que estavam ao seu lado (Mt 27,44). Ninguém foi tão insultado e zombado quanto o Senhor Jesus Cristo e nem será. No entanto, Ele afirmou que seus discípulos sofreriam perseguição por meio de insultos e zombarias. “Como o Senhor, também os servos”, Ele disse. Seus discípulos foram os primeiros a serem zombados e insultados por causa de sua fé em Cristo.

Rafael disse...

Mas não estou perseguindo ninguem :)
Desde que eu entrei nesse blog e na comunidade, a única coisa que eu pedi, a única coisa mesmo, foi que me dessem uma prova de que a igreja existe.
Estou esperando, irmão Tod prometeu postar algumas fotos na comunidade (de aonde eu fui expulso apenas por mostrar meu ponto de vista e depois ameaçado), estou aguardando com ansiedade.

Malba disse...

KKKKKKKKKK....
O Rafael, acorda, meu! O site é fake. To rolando de rir.... kkkkk

Rafael disse...

Eu sei q o site é fake lol
Mas eles tem seguidores de verdade que viraram fanáticos acreditando nisso rs

Irmão Tod disse...

estive sumido, tinha sido sequestrado por humanóides

Anônimo disse...

"Irmão Tod(inho) disse...

estive sumido, tinha sido sequestrado por humanóides"
--------------------------------------------------------------
kkkkkk
cada uma por aki...
esse e o melhor site de comedia q eu ja vi!
rsrsrsrs

JnpWoW disse...

Rafael ée um humanóide que quer de todo o jeito levar-nos a perdição em nome de Satã!

Irá para o inferno se continuar trilhando por esse caminho!

A Paz!

Anônimo disse...

Parabens Adriano pelo seu comentário e pura verdade essas pessoas não são crentes em Yeshua o messias são seguidores de um deus mitra que pede dinheiro e aceita despojos, eles estão tão cegos que quando nós mostramos os erros deles, eles dizem que nos temos que ler a biblia pra não errar tanto, cambada de defensores deste sistema podre, com certeza vão pagar caro quando eles perceberem que não existem esse arrebatamento pré, tudo uma grande mentira inventada, mas a verdade virá em breve

Postar um comentário