terça-feira, 19 de outubro de 2010

Culinária da macumba

Irmãos, como todos sabem, o estado onde moro, Pernambuco, é repleto de tradições, por ter sido um dos mais importantes centros intelectuais brasileiros antigamente, bem como grande produtor de cana de açúcar, o que gerou um alto tráfego de escravos para a região. Assim, Pernambuco também se tornou um grande centro de tradições catimbozísticas, com vários terreiros de macumba espalhados pela cidade, alguns deles com séculos de existência. Pois bem, essa cultura umbandista é tão forte por aqui que um dia desses fizeram um evento de degustação de comida afrodescendente, no qual cada barraca possuía o nome de um orixá, e no qual fui parar graças ao convite de um velho “amigo” que estuda antropologia e é chegado nessas satanices etnográficas e etecétera.

Eis a notícia do evento: http://backstagerecife.com/2010/09/24/mostra-da-culinaria-de-terreiro-no-museu-da-abolicao/

Claro que eu não sabia do que se tratava até chegar lá, pois meu amigo só havia me dito que havia um “lugar legal que servia comida de graça”, e como eu queria juntar um dinheirinho a mais para dar de vínzimo (eu precisava de uma bênção extra naquele mês), pensei em economizar no jantar. Acho que meu amigo, como todo estudante de antropologia, deveria estar emaconhado, pois se esqueceu que eu havia me convertido à verdadeira fé cristã (protestantismo) e que jamais iria a um lugar que serve comida de santo, coisa de macumbeiro. Entretanto, acho que por ter adentrado num local tão malévolo, Satanás achou uma brecha no meu escudo de fé, e me cegou momentaneamente, de modo que só percebi onde estava quando me vi na frente de uma barraca chamada Exu-caveira, dentro da qual um pai-de-santo com um imenso turbante branco na cabeça e inúmeros colares feitos de dentes e ossos de crianças me oferecia para a degustação um Ekurú (um prato feito de feijão macaça, azeite de dendê, camarão e cebola – percebi os ingredientes pelo cheiro).

Na hora me vi rodeado de inúmeros xangozeiros ferozmente armados, esperando que eu provasse aquela comida de exu, e fiquei sem saber o que fazer. Não poderia comer aquilo nem muito menos recusar expressando toda minha repulsa, pois me encontrava em território inimigo e não podia ofendê-los sem ser agredido. Assim, recusei, expressando a maior delicadeza que me era permitido:

- Nem fudendo que eu como essa merda aí.

Vi o pai-de-santo arregalar os olhos, deixar cair o ekurú no chão e puxar uma catana do balcão. Naquele momento percebi que ele estava possuído pelo exu guerrilheiro Nijana. Desferiu um golpe com a arma tentando decapitar minha cabeça, mas fui mais ágil e me abaixei, acertando-o em seguida com dois [i]jabs[/i] no nariz, um cruzado no rim, finalizando com um [i]uppercut[/i] na queixola que o derrubou no chão, inconsciente. Enquanto seus filhos de santo o acudiam, corri o mais rápido que pude gritando “JESUS CRISTO É O SENHOR!!” e orando em línguas para celebrar minha vitória sobre os catimbozeiros. Meu amigo ficou lá, e não sei exatamente o que fizeram com o coitado, mas eu já estava pensando mesmo em cortar as relações com ele; afinal de contas, vejam só em que fria ele me meteu!!

Anteontem recebi uma intimação, os organizadores do evento estão me processando. Que absurdo, eu tento levar um pouco de fé e amor cristãos pra esse povo, e eles agradecem me colocando na justiça. Mas deixe estar, já falei com o meu advogado, o irmão Roger, que garantiu que vai cuidar pessoalmente do meu caso assim que fechar a acusação de lavagem de dinheiro que fizeram ao pastor Anacreonte (outro absurdo!).

A paz!

5 comentários:

Pastor Luciano Osmos Lando disse...

Irmões, tesmos que exortar a verdadeira fé cristão (protestante) en Recife pois Pernambuco está dominado pelas armadilhas do encosto-mor (Santanás). Os catimbozeiros que pregam falsos deuses inexistentes recebem poder desses deuses para perseguir os verdadeiros crentes no sangue santo do SENHO®, e temos que tomar muito cuidado para não comer dessas comidas que são oferecidas aos ídolos africanos (exum, oxu, shinji e mandela). Aqui na Paraíba a ameça maior são os católicos, que como os ateis e os indus, não acreditam na misericórdia do sangue de Jesus. Estarei pedindo à minha igreja pedidos de oração para estar orando pelos irmões pernambuquenses. A pas.

Tucidíades disse...

Irmãos eu sou professor de História e é verdade Pernambuco sofreu muita influência africana por causa dos escravos que imigraram para se aproveitar das bênçãos da terra brasileira. Temos que resistir e lutar pela fé como os cristãos portugueses quando chegaram no Brasil que tiveram que resistir à invasão indígena. Parabéns pela atitude santa irmão Pastor Master! E não esqueça de votar em Serra porque eu ouvi dizer que a Dilma (que é comunista como Stálin) vai pintar o Cristo Redentor de vermelho e pregar o aborto.

Pastor Paulo Tarso de Oliveira disse...

Tudo que tem sua raiz no catimbó é obre do inimigo.

Sabio é o irmão que conseguiu vencer a serpente e pisou na cabeça dela com a determinação de um guerreiro do Senhor.

Aleluia!

Anônimo disse...

chupa um ROLA CAMBADA DE CRENTE DO RABON QUENTE SENTA NA VARA DE DIA E DE NOITE EEE CÁ PRA NOIS VCS TEM UMA MENTE FERTIL DE CHEIA DE MERDA *--* SIGAM CARREIRA DE ARTISTA DA CERTO VIU PQ PRA PASTORES IRMÃO OBREIROS E ETC SÃO TUDO UNS MERDA

Anônimo disse...

Pra mim vocês brazileiros são uns imundos;voces tem inveja de nós portugueses que somos ateus,são 3 Mundo.Andam a falar tão mal do meu país,Mas esquecem do vosso;povinho ignorante,se orgulham de ter um presidente analfabeto;Macacos, e preferem acreditar num Deus de merda, em Portugal não existe bairros de lata faz 10 anos, somos ateus, enquanto voces ainda tem favelas(LOL.LOL)e acreditam num Deus que não existe.Brasilweiras Putas há em todo lugar.

Postar um comentário